terça-feira, 16 de outubro de 2018


O filho do produtor de zurrapas, escreve na folha dirigida pelo camacheiro, um hino à submissão.

Ele bem tenta reescrever a história (deve ter passado muitos serões a ouvir o cata-vento que o educou) e chega ao ponto de chamar mentiroso ao putativo candidato dos socialistas que não há muitos dias escreveu exactamente o contrário, elogiando a obra feita na Região nas últimas quatro décadas (apesar de manifestar as suas divergências... era o que faltava se assim não fosse), chegando ao ponto de criticar os tiques centralistas dos governos de Lisboa.

Se um foi oportunista tentando colar-se ao que está à vista de todos (meteram-lhe na cabeça que ele é a solução e de vez em quando dá uma cravo e outra na ferradura), este caldeira de São Martinho,  burro como uma porta, pensa que é através da maledicência inconsistente que vai ganhar votos

O texto que ele pariu e que foi publicado na folha vendida por tuta e meia por um antigo governante desaparecido em combate, é um insulto a toda uma população que abraçou e sempre se reviu no projecto Autonómico.

O realizado nesta Região  foi obra de todos os madeirenses e ajudou também a dar uma nova imagem ao Portugal atrasado de há 44 anos.

Os dinheiros vindos da Europa foram fundamentais aqui como no território continental, ó tonto.

''...não foi feito algo de extraordinário'' disse a criatura sem obra que se veja na freguesia onde se diz que vive e preside. O sectário de merda, pensa que é com textos destes que vai agradar aos clãs ressabiados e subir na vida.

Coitado, vai ter de aprender a comer à mesa, o que, conhecendo os hábitos entranhados não será coisa fácil para ele...  

segunda-feira, 15 de outubro de 2018


Agora ficamos à espera das opiniões dos pacóvios sobre as mudanças no governo de lá.

O desastre adalberto que transformou os corredores dos hospitais do continente em enfermarias e levou ao desespero os médicos e todos os  profissionais de saúde, foi por mais de uma vez  apresentado pelo fura-vidas também conhecido como a lagartixa mentirosa, pelo  imberbe saído da dispensa (costuma apresentar-se com médico no inactivo) pelo primeiro-damo e pela lebre amestrada, com alguém competente cujo exemplo de governação deveria ser seguido na Madeira. Havia de se bonito...

Agora que foi posto a andar, ficamos à espera dos argumentos dos sabujos (dos citados mas também os idiotas úteis que os seguem).

Também aquela inenarrável figura que tinha a economia e o fulano da cultura foram dar uma curva. O primeiro veio aqui asnear algumas vezes convite da ''turba'' socialista. Na cultura passa a estar uma uma figura com currículo feito ao lado do usurpador de governos, e por isso bem-quista em particular nos sectores ''modernaços'' do terceiro partido em representatividade nesta região.

Quanto ao gajo que andou pelo mistério da Defesa e agora também no olho da rua, difícil foi compreender a sua escolha para o lugar, conhecendo-se as trapalhadas do passado quando andou pela dita alta autoridade para a comunicação. Num lugar como no outro foi elogiado pela camaradagem local e está tudo dito.

Notícia destes dias  é também a saída da sacristia do amigo de peito do bafos para participar num ajuntamento de socialistas. Há quem diga que é o primeiro passo para a entrada no ''reino'' dos camaradas, ateus, maçónicos e ditos não praticantes. Haverá promessa de lugar no ar...

Entregue a batina, a chave do templo e da residência paroquial...e ao menos não faça como o fura-vidas...filie-se.

Deixe-se de sermões na casa do Senhor já que os escritos há muito estão contaminados pela partidarite.  

  

domingo, 14 de outubro de 2018


Consta que as assessorias  cubanas bem pagas com o dinheiro dos contribuintes funchalenses (e não apenas),  já tinham feiro o guião a cumprir pelo fura-vidas durante a passagem dos restos do Leslie pela Madeira.

O traje de ''combate'' independentemente da temperatura e da humidade não dispensaria o inevitável impermeável da protecção civil.  Quanto à conversa para os microfones diz-se que foi  ensaiada no sentido de transmitir à população ''que o homem nunca foge às suas responsabilidades'' (riam-se à vontade) mas sobretudo a ideia de que estavámos perante alguém com as portas dos gabinetes lisboetas escancaradas (despejem por que faz mal à saúde reprimir uma boa gargalhada).

Seria uma enjoativa sessão de propaganda, mas felizmente o Leslie prosseguiu na sua rota ziguezagueante e passou a cerca de trezentos quilómetros da ilha de Madeira, entre os domínios da lebre e o território continental.

Não será de todo impossível de acreditar que o ''nosso'' mentiroso não tenha tido a ideia de oferecer os seus préstimos a Lisboa, assim que teve conhecimento da nova direcção tomada pela tempestade (aquilo foram umas horas largas de briefings e o fulano sempre aparecia, terão pensado eles) 

Sim, é verdade que os aviões ''do'' antonoaldo ficaram em terra, mas leviano com é, e acicatado pela ''brilhante'' equipa que o acompanha, não é de pôr de parte que coisa semelhante tenha passado por aquelas cabeças.

Leslie à parte, vai ser preciso lembrar ao palerma com a pasta do Planeamento e das Infra-estruturas, um tal Pedro Marques, que a Assembleia Legislativa é um orgão de soberania do Estado Português.

É que consta que o tipo ainda não respondeu a uma carta do principal orgão de governo da Autonomia da Madeira, solicitando a sua presença a fim de esclarecer umas coisas que afectam uma parte da população do nosso país.





       

sábado, 13 de outubro de 2018



Na sua habitual jactância o pai do administrador que o primeiro costa de Lisboa, colocou na administração da Tap antonoaldina, depois de uma frustrada indigitação para a Caixa Geral, disse numa conferência que houve para aí, que a Madeira precisa da companhia com a maioria de capitais públicos, como de pão para a boca... e depois?

Disse mais...o problema da mobilidade e dos seus custos, é um problema para resolver ente o governo de cá e o de lá. Continuando na sua bazófia seguidista ele acha que a questão não está nos custos pornográficos dos bilhetes de avião para ir ao continente e regressar, mas nas horas a que as pessoas normais têm de passar nos balcões dos correios para serem ressarcidas do obrigatório (só para madeirenses e porto-santenses) financiamento encapotado da companhia hoje nas mãos de um engenheiro electricista brasileiro.

É preciso dizer ao emproado (do tipo fala de tudo), que o grande problema que urge resolver, envolve uma parte da população portuguesa que está a ser vítima da subtracção dos seus Direitos Constitucionais.

Logo, é a toda a população desta Região Autónoma e não apenas os seus representantes democraticamente eleitos  que devem ser interlocutores e prioridade do governo do primeiro costa de Lisboa, que ainda por cima é patrão da TAP. A gravidade do problema pede também uma intervenção do Presidente da Republica.

Já houve alguém que disse de forma simplista mas verdadeira que ter ilhas no meio do Atlântico não deve ser apenas para ampliar a influência e a soberania, mas também deve obrigar a olhar para quem lá vive.

Sacudir responsabilidades e defender os amigos políticos que tem na capital do império perdido, sempre foi um hábito da casta onde vive o  pai do administrador, que lembre-se, tentou a política num passado recente, mas acabou sempre copiosamente derrotado pelo nosso povo.  




sexta-feira, 12 de outubro de 2018



Os dois totós trouxeram à liça a construção do hospital mas pela qualidade da argumentação até apetece manda-los para aquele lugar malcheiroso. 

É claro que o governo desta Região vai avançar com o concurso internacional para a concretização da obra, ó sabujo amestrado. Não será um governo engajado em golpadas e conluios que irá impedir o curso normal das coisas. O novo hospital central da Madeira é um realidade ''senhor'' fura-vidas, não porque um mentiroso compulsivo o diz, mas porque há quem cumpra com aquilo de promete.

Mas, enfim, as duas personagens em questão são aquilo que são e só a indigência que anda por aí à solta ainda os acompanha.

Pelas bandas frequentadas por estes dois há uma vereadora, deputada, e antiga sindicalista política, que nasceu numa freguesia plantada à beira-mar onde vivem 130 eleitores. Pois a senhora sempre que  se candidatou a qualquer coisa levou uma ''banhada'' no lugar onde deu os primeiros passos, o que demonstra a simpatia que as pessoas têm por ela.

Do alto da arrogância com que tenta esconder as sua incompetência a senhora resolveu falar de saúde e de enfermagem. Ladeavam-na na pose para a fotografia, o autarca mentiroso, o primeiro-damo e a lebre. A solução do quarteto de submissos, passa pela ida a Lisboa ao gabinete do nabo adalberto que ainda é ministro da saúde, e em última instância à antiga residência do ditador Salazar para de olhos sempre postos no soalho, ouvir as ideias do amado secretario-gerlal costa que lá tem montado escritório. 

Bonito serviço, ouvir os principais responsáveis pelo caos vivido nos hospitais do continente.

Uma vergonha de gente... esta.      
   

quinta-feira, 11 de outubro de 2018


Os madeirenses ficaram mais uma vez a saber que este país é governado por um ''brincalhão'', um provocador irresponsável, que tem derramados por aí uns palermas sem credibilidade, uns verdadeiros  engraxadores sempre prontos a assumirem em público a traição ao povo madeirenses.

Ainda agora ouvimos esse senhor costa de Lisboa lançar-se sobre os seu opositores, acusando-os de estarem a partidarizar matérias de Estado, exactamente aquilo que o seu conselho de ministros acaba de fazer com mais uma intolerável decisão em relação a esta Região Autónoma de Portugal

Ora, o sonso numa atitude que só pode ser vista como um alinhamento com os interesses do seu partido aqui na Madeira, fez-se desentendido e mandou às malvas tudo o que prometeu relativamente à construção do nosso novo hospital central.

Prometeu comparticipar em 50%, acenou com 132 milhões e agora vem com 96 milhões, ou seja menos de 30% do custo da obra.

Com o vergonhoso apoio dos ignorantes primeiro-damo, lebre amestrada, fura-vidas e toda a corja que os acompanha, o usurpador de governos, numa jogada saloia meteu ao barulho património da Região Autónoma, as expropriações e o IVA numa tentativa de mascarar a aldrabice dos 50% que andou a vender aos madeirenses. É claro que os seus apêndices PC e o dito Bloco apoiarem a trafulhice que envergonha o Estado português.

A canalha não vai conseguir impedir a abertura até ao final deste mês do concurso público internacional para a realização da obra.

 

quarta-feira, 10 de outubro de 2018


Sendo alguém sem pensamento  próprio é natural que compre todas as bojardas que lhe vendem.

O fura-vidas, de vez em quando tenta mostrar-se preocupado com o problema da mobilidade e do vergonhoso preço dos bilhetes de avião pagos pelos madeirenses e resolve inventar umas soluções sem consistência.

Fala  por falar tal como é próprio nos licenciados em generalidades. Nunca questionou o líder do governo da recompra da ''nossa companhia de bandeira'' (no fundo patrão) e nem saiu da toca nos dias do embuste antonoaldino. Afinal, estes dois andam a interferir directamente ou através de interpostos interesseiros no vergonhoso conluio que está a prejudicar toda a população desta terra...  

Tudo normal vindo de um fulano que anda a construir uma farsa à volta da sua triste figura, contando com a ajuda de oportunistas, parasitas da vida politica e ouvidores de Lisboa.

Um dias destes, não se sabe bem a propósito de quê ouvimo-lo em louvas aos Açores, para ele um grande exemplo de gestão de dinheiros públicos, acusando a Madeira de não ter seguido o exemplo da Região ainda governada pelos socialistas, que paga o que pode e o que não tem e nem é capaz de gerar, para ter uma companhia de aviação.

Ora, essa companhia de nome Sata (há quem lhe chame air azores) registou um prejuízo de 38 milhões nas contas do segundo semestre deste ano. O governo regional do seu camarada cordeiro, acaba de anunciar a transferência para a companhia de mais uns milhões de forma a marcarar o próximo aumento de capital.

A Sata essa decisão estratégica e de grande visão dos socialistas açoreanos, já tinha fechado o ano de 2017, com o maior prejuízo da sua história.

 41 milhões, ''só'' três vezes mais do que o buraco verificado nas contas de 2016.

Lindo modelo de gestão defende a lagartixa mentirosa que aspira chegar a presidente.